Você normalmente se permite ser humano?

É comum na vida adulta procurarmos agir de acordo com um padrão ideal de comportamento. Muitas vezes sem perceber, não nos permitimos viver nosso lado humano e fazemos o impossível para atender a um modelo de perfeccionismo.

Este nobre conceito foi inicialmente introduzido na psicologia positiva pelo Dr. Tal Ben-Shahar. Seu curso sobre felicidade é um dos mais populares da Harvard University, com mais de 800 alunos matriculados a cada semestre. Provavelmente você nunca imaginou que se ensinasse felicidade na Harvard, não é mesmo!

Segundo o Dr. Tal Ben-Shahar, o primeiro passo no caminho da felicidade autêntica é a permissão para ser humano. Quando aceitamos nossas emoções – que sejam: tristeza, medo ou ansiedade – como naturais, temos maiores chances de superá-las. A atitude de rejeitar e negar tais emoções leva à frustração e ao sentimento de infelicidade.

A habilidade de experimentar e expressar as próprias emoções é um elemento vital para uma vida saudável. Os problemas ocorrem quando as pessoas se apegam às suas emoções ou tentam escondê-las.

Não existe nada de errado com as emoções negativas. Elas geram complicações quando você se mantém nelas. A pessoa que permanece chorando e lamentando por semanas provavelmente estará entrando em uma séria depressão, neste caso, temos sim um problema.

A permissão para ser humano envolve uma “reverência” a emoção que você esteja vivendo, seja ela positiva ou negativa. O importante aqui é dar vazão e movimento, permitir o fluxo natural do sentimento.

Uma concepção distorcida da psicologia positiva é que ela seria uma proposta do tipo: “seja sempre feliz”; “apologia às emoções positivas”. É natural buscar as emoções positivas. Acontece que não é possível estar o tempo todo neste estado As emoções negativas fazem parte viver também.

Vale aqui citar o trabalho da Drª Barbara Fredrickson, professora da University of North Carolina e especialista no estudo das emoções positivas. Para ela as emoções positivas são a expressão de saúde e de sanidade, permitem o florescimento e a expansão do potencial pessoal. Em sua abordagem ela sugere a proporção ideal entre as emoções positivas e negativas de 3 para 1, respectivamente.

Uma vez que você inicia a permissão para ser humano, aceita suas falhas e segue adiante. Fica mais fácil e natural aceitar o próximo como ele é. Facilita também permitir que outro também seja humano, que ele seja “UM MANO”.

Um abraço humano,

Fábio.

Anúncios